Carta de Edouard Carmignac

Carta de Edouard Carmignac

Edouard Carmignac escreve sobre questões económicas, políticas e sociais actuais em cada trimestre.

Paris, 6 outubro 2023

Exmo(a). Senhor(a),

Na minha carta anterior, referi que a recessão tão esperada desde o início do ano, tal como Godot, estava longe de ser certa. Três meses mais tarde, embora a acumulação de sinais de desaceleração do crescimento mundial seja inegável, esta ainda parece estar longe de se concretizar.

Perante uma subida significativa das taxas de juro, a resiliência da atividade em ambos os lados do Atlântico deve-se à generosidade orçamental sem precedentes destinada a compensar as famílias e as empresas pelas perdas de rendimentos provocadas pela ameaça da Covid. Três anos depois do surto deste vírus, o não regresso ao rigor orçamental continuou a aumentar os défices públicos, apoiando simultaneamente as nossas economias.

Como tal, as políticas monetárias restritivas revelaram-se pouco eficazes, uma vez que as tensões, nomeadamente no mercado de trabalho, incentivam um consumo sólido, estimulado pelo aumento dos salários e por taxas de desemprego modestas. No entanto, o seu impacto na capacidade de os Estados continuarem a financiar défices crescentes a taxas de juro moderadas é uma questão totalmente diferente. As poupanças das famílias continuam a ser atraídas pelas perspetivas de valorização oferecidas pelos mercados de ações, enquanto os grandes mutuantes tradicionais (China e Japão) estão progressivamente a afastar-se das obrigações americanas e europeias.

O aumento brutal das taxas de juro de longo prazo ao longo deste trimestre (de 3,80% para 4,80% nos títulos de dívida pública americanos a 10 anos e de 2,40% para 2,90% no Bund alemão) deu a muitos investidores a esperança de uma estabilização, ou até mesmo de uma reversão. Embora com algum atraso, nostra culpa, duvidamos. As necessidades de financiamento público são dificilmente reduzíveis e as poupanças disponíveis para lhes fazer face continuarão a ser insuficientes enquanto a atividade global oferecer alternativas de investimento atrativas.

Neste contexto, quais são as perspetivas dos mercados? Estamos convencidos de que os Bancos Centrais não estarão interessados em desempenhar o papel de aprendiz de feiticeiro, comprometendo ainda mais o financiamento das despesas públicas. Assim, e ao contrário do consenso existente, consideramos improvável a prossecução da subida das taxas a curto prazo nos Estados Unidos e na Europa. Nestas condições, a luta contra a inflação tornar-se-á menos prioritária, o que sugere uma descida considerável das taxas reais com maturidades curtas (inferiores a 5 anos). A evolução das taxas de juro a longo prazo permanecerá incerta e até mesmo problemática para os Estados laxistas. O apoio à atividade proporcionado pela perspetiva de taxas reais a curto prazo moderadas sustentará os mercados de crédito. A nível de ações, embora estas também devam continuar a ser apoiadas pelo afastamento do risco de recessão, a sua avaliação será afetada por taxas nominais elevadas e pelo abrandamento resultante da inevitável contração dos défices públicos. Mais do que nunca, as empresas pouco endividadas e com boa visibilidade devem ser privilegiadas.

E, tal como Godot, a recessão pode ainda tardar...

Melhores cumprimentos,

Édouard Carmignac signature name

Latest insights

Carta de Edouard Carmignac

18 julho 2023
Carta de Edouard Carmignac

Carta de Edouard Carmignac

24 abril 2023
Carta de Edouard Carmignac

Carta de Edouard Carmignac

13 janeiro 2023
Carta de Edouard Carmignac

Comunicação publicitária

Fonte: Carmignac. Esta é uma comunicação publicitária. Este documento não pode ser reproduzido, integralmente ou em parte, sem a prévia autorização da sociedade gestora. Não constitui qualquer oferta de subscrição ou aconselhamento de investimento. As informações contidas neste artigo podem ser incompletas e suscetíveis de alteração sem aviso prévio. Os resultados anteriores não constituem qualquer garantia de resultados futuros. A referência a determinados valores ou instrumentos financeiros apenas é feita a título de exemplo para destacar determinados valores que integram ou tenham integrado as carteiras de fundos da gama Carmignac. Não se destina a promover o investimento direto nestes instrumentos e não constitui qualquer aconselhamento de investimento. A Sociedade Gestora não está proibida de efetuar transações envolvendo estes instrumentos antes da divulgação da comunicação. As carteiras de Fundos Carmignac podem ser alteradas a qualquer momento.